Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Vale do Ribeira
Um mar de bananais
Reluz como ouro
Nas entranhas da terra
Nos meandros do Ribeira de Iguape
A banana é o peixe da terra
Um meandro de fruta
Vendido a preço de ouro
Pescada pelo bananeiro
Comprado a preço de banana
O pôr do sol aurifica
O mar de Mata Atlântica
E o rio de água barrenta
O calcário é a semente
Que faz florescer e frutificar
Estalagmites e estalactites nas cavernas
O peixe é um meandro de vida
Um pão do rio pescado
Colocado em barcos e canoas
Que são meandros de madeiras
O gado é um meandro de carne e osso
Que pasta meandrando no morro
O morro é um meandro da terra
O chá é um meandro de folha
Pão frutificado pelos japoneses
Quilombolas e ribeirinhos
São meandros de luta
Frutos do rio e da floresta
Que cultivam nos meandros da terra.
Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 04/12/2018
Alterado em 05/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários