Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Neruda é o Chile
Neruda Nasceu
Na verde Parral
Fruto de um ferroviário
E uma professora
A locomotiva poética
Começou suas palavras
Nos trilhos de Parral
Cada palavra de Neruda
É um vagão
Cada poema de Neruda
É uma locomotiva
Neruda era o maquinista
Que navegava a locomotiva poética
Pelos mares do Caribe, Atlântico e Pacífico
Pelos mares dos Andes
Pelos mares hispânicos e lusitanos
Neruda é o Coihue de Araucania
Neruda era os lagos do Sul
Neruda era o deserto de Atacama
Neruda era os vinhedos e as oliveiras
Neruda era um vulcão de sentimentos
Neruda era um vulcão que jorrava palavras
Neruda começou suas palavras
Com a beleza dos lagos e florestas do Sul
Suas palavras se frutificaram
Em Valparaíso
No Vale Central
Como peixes
Ameixas
Pêssegos
Maças
Frutificam e floresceram
As ideias e pensamentos latino americanos
Neruda é a flor mais bela
É a flor mais sábia
Que a América Latina produziu
Flor destruída pelo golpismo covarde
De Pinochet e da democracia cristã
Sua poesia morreu
No deserto autoritário do golpe de Pinochet


Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 12/11/2018
Alterado em 10/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários