Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Bolivianos
Filho do Lago Titicaca
Filho sagrado da água e do sal
Filho da aridez e do sorriso dos Andes
Filho do sorriso da canoa de totora
Sertanejo das montanhas
Sertanejo dos Andes
Filho costurado inexoravelmente
Pelas agulhas do Capitalismo
Agulhas que costuram
Sua vida e dignidade
Boliviano que vira gás
Nas confecções portenhas e paulistanas
Boliviano que vira pobre diabo
Nas minas de cobre de Chuquicamata
Nas minas de estanho e lítio de Potosi
Boliviano esmagado pelo frio e a fome
Boliviano reduzido a um grão de soja
Boliviano esmagado pelo Latifúndio
No sol escaldante de Santa Cruz
Boliviano desgranado como milho
Boliviano tratado como saco de batatas
No Altiplano de La Paz, Oruro e Potosi
Bolivianos esmagados como cana de açúcar
Nas usinas de Santa Cruz
Boliviano tratado como gado
No Beni das enchentes
Bolivianos
Traficados
Escravizados
Esmagados
Costurados
Pelos próprios Bolivianos
Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 10/11/2018
Alterado em 11/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários