Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Canoa solitária
Navegando em águas de fogo
A água é o fogo da razão
O fogo é a água do amor

Rio de solidão
Com meandros de sofrimento
Que não te subtraíram
Com pedras de contradição
Que foram contornadas
Continuando a navegação

Rio de sentimentos
Com correnteza de liberdade
Onde águas de fogo
Passaram sob montanhas de lágrimas
Passaram sobre montanhas de risos
Canoa que resiste
A água que queima
Ao fogo que molha

Rio de amor
Onde meandros de traição
Não te diminuíram
Sendo contornados e superados

Quero te dar meandros de alegria
Com meu rio de sorrisos
Que te dar meandros de brilho
Com meu rio de olhares

Quero te dar meandros de beijos
Com meu rio de boca
Quero te dar meandros de sentimentos
Com meu rio de coração
Quero te dar meandros de amor
Com meu rio de liberdade
Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 14/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários