Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Carolina

Barco de nuvem que baila
Na imensidão do mar do céu
Sereia invisível que nada
No sangue do coração do marinheiro
No sangue que hidrata o corpo do marinheiro
Seus olhos geram mares de lágrimas
Formando um oceano
Onde navega
O barco da solidão

Barco da solidão
Onde navega
O som da canção
A flor do sertão
O corpo de violão
O sol que acende a escuridão
A alegria na imensidão
O deserto da solidão
O olho do furação
O pássaro que voa como avião
A dona do meu coração
Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 08/02/2018
Alterado em 28/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários