Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura
Caminhada, poesia, ecologia e geografia. Uma trincheira de luta contra a crise civilizatória.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Joana

Joana
Flor de sentimento
Flor de coração
Rosa que nasce no deserto da solidão
Seus lábios de morango
Soltam águas que pegam fogo
Seus barcos de lágrimas
Que navegam nos mares da solidão
São camelos
Que navegam no deserto da solidão
Flor de ódio que ama
Flor de amor que odeia
Flor do silêncio que fala
Flor da voz que silencia
Oásis do meu deserto
Flor que solta lágrimas que ri
Flor que ri chorando
Corpo da minha alma
Abelha fazendo mel
Beija flor parado no ar
Companheira da solidão
Rio da floresta
Barco de nuvens que navega no céu
Barco de flores que navega na floresta
Deserto de água que navega na terra
Mar de sentimento
Rio de sentimento
Negra haitiana
Índia boliviana
Branca portuguesa
Vinho que me embriaga de amor
Lábios de uva
Que beijam o céu da minha boca
Flor de perdição
Bruno Valverde
Enviado por Bruno Valverde em 22/01/2018
Alterado em 28/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários